segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Notícia: "Queda de pelos de cães e gatos: aprenda a controlar."


Os pelos do animal de estimação se acumulam em vários pontos da casa e você anda pensando se há alguma coisa errada com seu melhor amigo? Acalme-se. Segundo a veterinária Isabella Morand, da Bicho Bacana, há ocasiões em que essa queda é normal. “Durante as mudanças de estação, especialmente quando há alteração significativa na temperatura, é comum o bichinho perder um pouco de pelo”, explica ela.

Existem dois tipos de queda de pelos: a fisiológica e a provocada por alguma dermatopatia. A primeira é normal e não mexe muito com a estrutura dos fios, mas a segunda requer uma consulta com o veterinário para identificar a causa e fazer o tratamento adequado. Diferenciar as duas não é tarefa complicada. “A fisiológica não altera a pelagem. A cobertura continua normal, sem buracos. Quando há dermatopatia, entretanto, surgem falhas, a pele pode apresentar lesões e o pelo fica ressecado e quebradiço”, diz Isabella.

Problemas nutricionais também podem fazer o bichinho perder pelos. Nesse caso, as falhas na pelagem aparecem, mas a pele continua normal. “Quando se trata de um animal saudável, pode-se controlar a queda oferecendo uma refeição balanceada, com ração de boa qualidade e, se for o caso, um suplemento alimentar”, ensina Isabella. “E a escovação diária ajuda a retirar os pelos mortos”, completa.

De acordo com a veterinária, cães sem dermatopatia não terão grandes problemas com a perda de pelos. Mas o mesmo não acontece com os felinos, que se lambem e ingerem o excesso de fios, formando novelos no estômago. “Enquanto o gato consegue vomitar as bolas de pelos, tudo bem. O problema é quando a quantidade é tanta que os fios passam para o intestino. Isso resseca as fezes e pode causar cecaloma, uma prisão de ventre grave”, alerta Isabella. Para prevenir, há rações e complementos alimentares com hairball, que ajuda a eliminar os pelos e lubrificar as fezes. “Algumas pessoas colocam uma colher de azeite ou óleo mineral na boca do gato, mas isso não é recomendado. Esses produtos podem afetar o pulmão se forem ingeridos de forma errada”, afirma ela.
Fonte: gnt.globo.com

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

CASQUEAMENTO E FERRAGEAMENTO


CASQUEAMENTO






O casqueamento corretivo deve se iniciar em animais de 2 meses de idade que possuam desvios considerados mais severos, mas normalmente, em animais de desvios considerados normais iniciamos aos 4 (quatro) meses de idade. Lembrando que só conseguimos realizar as correções de casco até os 12 meses de idade devido ao fechamento das cartilagens que antes eram macias e podíamos “moldar” para corrigirmos os defeitos de aprumos.
O casqueamento em potros não se deve tirar muito material, deve-se retirar material aos poucos para ele não sentir dor no local. A ranilha não deve ser cortada devemos apenas limpar o canal ao redor dela, ela serve como amortecedor, e quando o animal caminha ela serve como uma bomba que leva sangue a todo casco fazendo com que este casco cresça corretamente deixando-o sempre bem vascularizado. Na sola devemos tirar apenas a parte morta (bem superficial). Na parede do casco devemos apenas nivelar os cascos para que não ocorram lesões no casco nem nas articulações. O desnivelamento para correção de aprumos deve ser feito apenas por profissionais.
Após os 12 meses de idade (1 ano) devemos respeitar os desvios de aprumos somente nivelando os cascos, já que qualquer tentativa de correção nesta fase forçará muito a bolsa que contém o liquido sinovial (que serve como lubrificante das articulações) e esta poderá se romper levando a lesões sérias nas articulações, podendo até impedir a funcionalidade do animal.
Vejam na página http://cavalocompleto.com.sapo.pt/w006.htm aqui contém informações de aprumos que devem ajudar bastante na hora de casquear seu animal.

Em animais adultos devemos fazer o casqueamento (nivelamento do casco) a cada 30 dias para obtermos melhores resultados. Através do casqueamento podemos também melhorar o desempenho dos animais de pista. Por exemplo, um animal de marcha mais dura (de apoios diagonais) podemos tirar mais casco na região dos talões (parte de trás dos cascos) e deixar um pouco mais na região da pinça (parte da frente do casco), chamamos isso de achinelamento, para melhorar o “amortecimento” através das quartelas que são responsáveis para esta atuação, melhorando desta forma também a movimentação dos membros dos animais, dando assim maior beleza no andamento. Devemos alterar no máximo em 3° para mais ou para menos do que é recomendado para cada animal para evitarmos lesões e afecções de boletos e articulações em geral (veja no primeiro parágrafo sobre ferrageamento). Nem sempre um trabalho feito em um cavalo tem um mesmo efeito em outro por terem angulações diferentes.
Podemos sim melhorar o desempenho dos animais com casqueamento ou ferrageamento sempre lembrando que estas alterações logicamente não serão refletidas na produção de filhotes, por isso devemos selecionar sempre os melhores animais dentro dos padrões que pretendemos.

Problemas mais freqüentes encontrados nos cascos dos animais

Os defeitos mais freqüentes na forma dos cascos são os talões estreitos (contraídos), talões escorridos (adiantados), parede estreita (com mais freqüência na região do quartos), desbalanceamento médio lateral da pinça ou de todo o casco, casco encastelado (talões excessivamente altos), casco achinelado (pinça excessivamente crescida). 

Não se esqueça:  Antes de começar a corrigir qualquer defeito de aprumo, coloque os cascos na sua condição anatômica ideal, ou seja, eixo ântero-posterior alinhado (ângulo do casco igual ao da paleta) e cascos balanceados (metades iguais).


FERRAGEAMENTO

Primeiro falaremos das angulações já que estas servem tanto para o casqueamento quanto para o ferrageamento:

Em animais de marcha batida e centro os membros anteriores (mãos) trabalham normalmente com 55° podendo variar até 52° já que acima dos 55° a tendência de endurecer os animais de marcha aumenta muito. Nos membros posteriores (pés) a angulação média está em torno dos 60°.

Na marcha picada a angulação média dos membros anteriores é de 50 a 52° e nos membros posteriores é de 55° podendo ser até menos já que nesta modalidade tem maior prevalência de animais acurvilhados.

Não é aconselhado mudar a angulação dos cascos mais de 3° para mais ou para menos em qualquer um dos membros.

FERRAGEAMENTO CORRETIVO

Atualmente para correção de problemas de desnivelamento mais sério nos cascos temos ferraduras com um parafuso nos talões (parte de trás dos cascos) que o ferreiro poderá regular da maneira que achar conveniente e assim corrigir problemas de joelhos abetos ou fechados comuns em animais de marcha, evitando aquele ferrageamento com meia ferradura que era utilizada há tempos atrás e trazia problemas sérios ao animal com o passar do tempo.

Pequenas alterações nas angulações do cavalo de marcha poderão ser terríveis em relação à qualidade da marcha, principalmente nos cascos anteriores. Por isso devemos avaliar muito bem a qualidade e formato dos cascos, desbalanceamento, desvios de aprumos, ângulo de inclinação das quartelas e espáduas, ângulo de inclinação das pernas e dos jarretes além de eventuais deficiências na marcha.

CORREÇÕES NOS TIPOS DE ANDAMENTO

Na andadura podemos tentar o seguinte:
Ferrar as mãos com ferraduras mais pesadas e os pés com ferraduras mais leves ou até sem ferraduras nos posteriores (pés). A segunda tentativa seria a de deixar os talões (parte de trás dos cascos) maiores lembrando sempre dos 3° limites acima do considerado normal para cada cavalo. O terceiro recurso seria colocar uma corrente nas quartelas das mãos com protetor de mangueira ou de couro para não ferir seu animal. Treinar o animal a passo também ajuda muito para ele encartar na marcha.

Na marcha trotada já é o contrário da andadura, devemos utilizar ferraduras leves nas mãos e pesadas nos pés, podemos também tirar mais cascos nos talões deixando a pinça maior. A terceira opção seria colocar correntes encapadas com mangueira ou couro nas quartelas dos membros posteriores (pés). Descer morros ajuda demais na dissociação dos animais com diagramas mais diagonais.

FERRADURAS DE ALTO DESEMPENHO

As ferraduras de alto desempenho ainda não são rotineiramente utilizadas para cavalos de marcha no Brasil. As tradicionais são as ferraduras de pinça quadrada, que exercem a função básica de proporcionar mais retidão aos deslocamentos, o que se reveste de especial importância nos julgamentos de morfologia, na etapa da avaliação dos aprumos. Também servem para melhorar o estilo da marcha, além de eventuais ganhos na regularidade e desenvolvimento. Outros tipos de ferraduras de alto desempenho são as frisadas, que favorecem a melhor aderência, o que pode ser vantajoso em pistas escorregadias.  Os desenhos de frisos são variados. 

Independente de qual seja o andamento desejável, ferreiros nunca devem esquecer os princípios que fundamentam esta técnica especializada que é o ferrageamento. Alguns destes princípios:

- As ferraduras devem estar em tamanho apropriado para os cascos, proporcionando suporte homogêneo ao redor dos quartos e talões;

- Não pode haver sobras de ferraduras. Estas são como a continuação dos cascos;

- Não se prepara o casco para a ferradura, mas sim a ferradura para o casco;

- O ângulo do casco não deve variar mais do que três graus em relação ao ângulo natural, sob pena de provocar afecções. Nestes casos, o cavalo precisa se acostumar com a mudança de angulação, que traz estresse imediato sobre os tendões.
Qualquer artifício tende a representar solução temporária. A solução permanente é selecionar bons marchadores, de cascaria saudável e bem conformada, bem aprumados, de forte constituição ósseo-muscular, submetidos a um manejo profissionalmente conduzido.

FERRADURAS MAIS APROPRIADAS

Devemos utilizar ferraduras com 5 ou 6 furos em cada metade da ferradura para podermos realizar as correções, principalmente em animais chamados de “remadores” (que jogam as mãos para fora ao marcharem). A correção deste problema é bem simples e segue o princípio do pêndulo, a pinça voa para o lado mais pesado do casco, sendo assim para balancearmos o casco devemos colocar mais cravos na parte interna da ferradura, por isso o uso de ferraduras com 6 craveiras é mais indicado.

Não deixe, também, de devolver o “vernis” das partes lixadas, após a aparação do casco, usando o Cascotônico.

Matéria escrita sob orientação de artigos escritos por Lúcio Sérgio de Andrade
formado em Zootecnia pela UFLA – Universidade Federal de Lavras - MG, com curso de especialização na Texas A&M University – USA, pesquisador, escritor, produtor de vídeos tecno-educativos, instrutor de cursos, arbitro de eqüídeos marchadores.

Matéria montada por: Alexandre Werner Breder - Integrante do Blog de Medicina Veterinária Univértix.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Mulher paga US$ 50 mil para clonar cão de estimação na Coreia do Sul

A norte-americana Danielle Tarantola pagou US$ 50 mil na tentativa de clonar um cão de estimação falecido. Moradora em Staten Island, parte da cidade de Nova York, a mulher precisou procurar laboratório de clonagem na Coreia do Sul para fazer o serviço.

Ela compareceu ao programa do apresentador norte-americano Anderson Cooper e explicou sua paixão pelo cão Trouble ("problema", em tradução para o português), que viveu com ela durante 18 anos.

Morto há 3 anos, o animal ainda é lembrado na casa de Danielle, que mantém em sua casa um quadro e um lençol com a cara de Trouble estampada. A norte-americana guarda até o último pedaço de osso que seu animal de estimação roeu.

Ela participou de um programa de TV chamado "I Cloned My Pet", sobre donos que perderam seus animais de estimação e procuraram serviços de clonagem.

O programa foi um dos argumentos usados por Danielle para baratear o custo da clonagem junto aos coreanos, que pediam US$ 100 mil pelo trabalho. A Coreia do Sul é o único país conhecido que realiza clonagens comerciais em cães.

O resultado foi o nascimento de Double Trouble, um filhote idêntico ao cãozinho morto e que foi gerado com sucesso na barriga da uma cadela adulta. Para obter o clone, Danielle enviou material coletado de Trouble enquanto ele ainda estava vivo e o enviou para os laboratórios asiáticos.

Fonte: saudeanimal.com.br

As 10 mais populares raças de cães

Não há certeza nisso, mas as teorias mais aceitas pelos cientistas explicam que todos os cachorros do mundo descendem de um único ancestral: o lobo cinzento. Ao longo dos séculos, o homem foi fazendo cruzamentos e os animais foram sofrendo modificações, de forma que hoje existem numerosas raças diferentes de cachorro.
Nos Estados Unidos, existe um grande clube para registro de genealogias caninas. É o American Kennel Club (AKC). Todos os anos, eles divulgam uma lista com as raças mais populares da atualidade. Os dez cães a seguir estão entre os mais procurados para domesticação, motivo pelo qual são presenças constantes na relação da AKC. Confira:
10) LABRADOR
 No extremo nordeste do Canadá, existe uma província cheia de ilhas chamada Newfoundland and Labrador. Desta região foi originado este rápido e esperto cachorro, que há muito tempo auxilia os pescadores em seu trabalho de puxar a rede do mar e capturar os peixes que escapam.
Ao longo do tempo, o cruzamento com outras raças transformou o labrador em um excelente cão de caça. Embora pareça uma vantagem, essa mudança criou uma síndrome genética chamada “desmaio induzido pelo exercício” (EIC, na sigla em inglês), que é uma predisposição a cair morto de cansaço durante uma atividade física. 30% dos labradores carregam esse perigoso gene.
 9) PASTOR ALEMÃO
Este cão é o queridinho das autoridades: guardas civis, policiais e militares adoram ter a companhia de um pastor alemão para ingressar em missões arriscadas. É um cachorro antigo, originado na maior parte por raças que habitavam as zonas rurais da Alemanha. O “resultado final” apareceu na pequena cidade de Karlsruhe, em 1899, e chegou à América em 1907.
8) YORKSHIRE
Depois de um cão médio e outro relativamente grande, vamos falar de um pequeno cachorrinho que virou febre em vários países, incluindo o Brasil. Ele faz parte do grupo de cachorros “toy” (brinquedo, em inglês), no qual também se encontram o chihuahua e o pinscher, devido ao tamanho. Ele raramente vai além dos 3 quilos.
Embora seja considerado “cachorro de madame”, o Yorkshire era usado na cidade de mesmo nome, durante o século XIX, para a pouco nobre missão de caçar ratos em depósitos de roupas.
7) GOLDEN RETRIEVER
Este cão foi criado meticulosamente por um nobre escocês, Lord Tweedmouth, através do cruzamento de várias raças. Ele queria um cachorro hábil, adaptado ao clima da Escócia e fácil de treinar. Hoje, o Golden Retriever é reconhecido por ser um cão excelente tanto para caça quanto para resgate, razão pela qual é amplamente usado para ambas as funções.
6) BEAGLE
Trata-se de uma raça antiquíssima, que já era usada na Inglaterra nos anos 1500 para farejar coelhos. Devido ao seu temperamento alegre, contudo, os beagles alcançaram grande carisma no continente americano, em parte graças a Snoopy, o mais ilustre representante dessa raça. O nome deriva do termo francês “be’geule”, que significa que o cachorro está latindo atrás de alguma caça.
5) BOXER
A cara de carrancudo não é à toa: na Alemanha do século XIX, os boxers eram objetos de aposta em brigas de cachorro, além de ajudar camponeses a caçar grandes javalis. Ao longo do tempo, foi criando a imagem do cão que se fixa firmemente nas patas traseiras para encarar seus inimigos. Apesar disso tudo, seu temperamento é uma fama injusta. Quando bem tratado, o boxer é uma das raças mais dóceis e afetuosas do mundo, especialmente com crianças.
4) BULDOGUE
Aqui vai um fato não muito comentado sobre o buldogue: seu nariz achatado, característico, o torna vulnerável a superaquecer quando faz muito calor. Como os cães controlam a temperatura através de suor pelo nariz, seu focinho curto dispõe menos área de troca de calor com o ar.
Até 1833, eram permitidas na Grã-Bretanha as rinhas de touro, na qual um boi era amarrado em uma área delimitada e os buldogues tinham que imobilizá-los. Levou um longo tempo para que o buldogue apagasse, na Europa e nos EUA, a fama de cachorro mal encarado e brigão, embora essa imagem continue sendo forte por aqui.
3) DACHSHUND
Chamado de “linguicinha” em algumas regiões do Brasil, este pequeno e comprido cachorro é criado há mais de 500 anos na Alemanha. Foi concebido para combater texugos em áreas próximas a plantações. Hoje, para fins de catálogo, são subdivididos em dois grupos: o standard, que pesa de 7 kg a 14,5 kg, e o miniatura, que pesa no máximo 5 kg.
2) POODLE
A pelagem encaracolada dos poodles tem uma explicação: quando os caçadores alemães os levavam por bosques cruzados por rios, eram os pelos enrolados que os ajudavam a se locomover mais facilmente na água. Ao longo do tempo, os poodles se tornaram os cachorros preferidos da realeza em várias cortes da Europa.
Em 2003, uma categoria de poodle (standard, os de tamanho maior) teve seu genoma completamente decodificado. O tipo de poodle mais famoso, no entanto, é o poodle toy, menorzinho e disponível em várias cores – muito embora, conforme cientistas apuraram em 2007, sejam todas variações do preto e do amarelo. Portanto, não existe nenhum poodle branquinho, apenas amarelo bem claro.
1) SHIH TZU
Mais um no grupamento dos toy dogs. Sua postura imponente, de tronco empinado, fez com que fossem os cães preferidos das dinastias reais da China durante mais de mil anos. Sua descendência é simples: vem do cruzamento do pequinês com o lhasa apso ou com o tibetano montanhês. Durante a Primeira Guerra Mundial, soldados britânicos descobriram o Shih Tzu na China e a raça se espalhou para o mundo.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Veja dicas de como cuidar de seu animal de estimação no verão

Os animais precisam de cuidados especiais para enfrentar os dias mais quentes.

Quando as temperaturas altas começam a dar a cara do verão, não são só os humanos que sentem os efeitos. Os animais precisam de cuidados especiais para enfrentar os dias mais quentes. Diogo Alves da Conceição, diretor da clínica veterinária Domingues de Sá, diz que, nesta época do ano, os casos de enfermidade mais comuns são de insolação e intermação e dá dicas dos cuidados que os donos precisam ter com os bichos de estimação.

O GLOBO: Alguns donos costumam levar seus animais de estimação para a praia. Isso é recomendável? Quais as possíveis consequências para os banhistas da presença dos animais na areia e na água? E para os cães?

Diogo Alves da Conceição: Levar os cães à praia é muito saudável, desde que fiquem restritos ao calçadão, nunca na areia nem na água. Além disso, devem estar com coleiras e focinheiras para animais de porte médio/grande. Na areia, os animais podem defecar e transmitir algumas doenças aos homens, como verminose. É uma questão de saúde pública e de educação. Para os cães, os problemas são dermatites e principalmente otites, se entrarem no mar.

Qual a diferença entre insolação e intermação?

A insolação é a ação direta dos raios solares sobre o animal. A intermação é ação do calor de origem solar indireta: locais abrigados, como a própria casa sem ventilação adequada ou áreas fechadas expostas ao sol. O segundo caso ocorre principalmente quando animais ficam sozinhos em casa, com o ambiente todo fechado e quente, e quando deixados no carro, mesmo em curto período.

Que animais são os mais afetados?

Animais peludos e idosos são mais sensíveis a essas condições, por terem dificuldades de regulação da temperatura corpórea, e ficam mais ofegantes que o normal. Animais com roupinhas, acessórios ou expostos ao sol e calor durante muito tempo, mesmo na sombra, em horários de pico também podem ser afetados.

Quais são os principais sintomas?

- Falta de ar intensa; eles respiram de boca aberta e com a língua de fora.

- Desmaio/Síncope.

- Temperatura corpórea elevada, superior a 40ºC, podendo ser confundido com febre.

- Vômitos.

- Andar “cambaleante”.

- Desidratação.

Como é possível prevenir o quadro?

- Evitar passear nos horários de pico de calor. Engana-se quem pensa que não podem ocorrer lesões nas patas dos animais. As patinhas também podem ficar queimadas em contato com o chão quente. Sapatos são considerados uma medida protetora que sempre traz beneficios

- Realizar atividades em ambientes ventilados e na sombra, evitando risco de insolação ou intermação.

- Tosar o animal sempre no verão, para facilitar a troca de calor.

- Ofereçer bastante líquido para o animal.

- Na presença dos sintomas, procure seu veterinário, pois o quadro pode se agravar e pode existir o risco de convulsão e até morte.

Quais as doenças mais comuns em animais de estimação nessa época do ano?

Diarreia, alergia, miíase, conjuntivite e otite, principalmente por banhos feitos em domicílio.

Quais as principais recomendações para cuidados com animais de estimação durante o verão?

Passear com os cães pela manhã até 10h e à tarde após 17h. Numa caminhada com o cão, nunca exceder 2 horas.

Condicionadores de ar e ventiladores são recomendados?

Condicionadores de ar e/ou ventiladores podem ser usados com responsabilidade princialmente por determinadas raças.

Água gelada pode ser oferecida para qualquer animal (cães, gatos, pássaros, roedores)?

Água fresca sempre e de boa qualidade, variando entre 15 a 20 graus celsius para qualquer animal, além de ser trocada quatro vezes por dia.

Qual a frequência ideal para banhos?

Os banhos podem ser semanais, de preferência em pet shops, onde existem profissionais capacitados em secar bem o animal. É na secagem que está o segredo do pêlo no verão.

Essa época é mais propícia a infestação de parasitas (como carrapatos e pulgas)? O que fazer para evitar?

Sim. Os ectoparasitas são mais frequentes durante os dias mais quentes, principalmente em países tropicais. A infestação de pulgas está em 95% no ambiente domiciliar.

Muitas pessoas viajam com seus animais durante as férias. Qual a melhor forma de transportá-los com conforto e quais as recomendações para viagens mais longas, por exemplo, de carro?

As caixas de transporte são as mais recomendadas e são padronizadas. A legislação de trânsito proibe o transporte de cães e gatos soltos, pois há a possibilidade de se causar acidentes. As recomendações para viagens mais longas se resume em não iniciar a viagem com os animais de barriga cheia de alimentos e água. Isso evita náuseas e vômitos.


Fonte: oglobo.globo.com

Cachorrinha que faz trabalho voluntário entra para o livro dos recordes

Lucy, menor cachorro do mundo a trabalhar, segundo o livro Guinness.
O animal é usado em terapias com idosos e pessoas com deficiências.


Com apenas 14,5 cm e pesando pouco mais de 1 kg, a yorkshire terrier Lucy tornou-se o menor cão do mundo a fazer algum trabalho. O animal é usado em terapias com idosos e pessoas com deficiências. O título foi registrado no livro dos recordes.

Lucy, que tem 3 anos de idade, é parte de um projeto voluntário que promove visitas a pacientes em hospitais, casas de repouso e escolas especiais em New Jersey, nos Estados Unidos.

Sua dona, Sally Leone Montufar, contou que uma mulher apareceu na pet shop em que trabalhava com vários cães para adoção. Lucy chamou sua atenção por parecer o animal mais debilitado do grupo. Acabou sendo adotada.

A cachorrinha ficou com o título por ser menor que o recordista anterior, um cachorro de pouco menos de três quilos que trabalha com equipes de busca e resgate no Japão.



Fonte: noticias.uol.com.br

sábado, 14 de janeiro de 2012

Manifestação Nacional contra crueldade com animais

Dia 22 de Janeiro
O Brasil inteiro contra a crueldade com animais.
Acesse o site www.crueldadenuncamais.com.br para maiores informações e para saber em quais cidades vão ocorrer as manifestações.





Apoiamos esta causa!!!

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Cães também precisam se exercitar

Que exercício? Isso depende da raça do cachorro.


Natação, pesos, corrida, caminhada. Se você tem um cachorro e acha que apenas seres humanos precisam deste tipo de atividade, talvez não conheça as reais necessidades de seu animal. Exercícios são fundamentais para eles. “Evitam a obesidade e controlam a ansiedade”, explica o treinador de animais Diego Fávero, que tem um canil na serra carioca.

Entender o comportamento dos cachorros é essencial para quem quer criá-los.
Segundo Fávero, cães que não se exercitam se tornam extremamente ansiosos. Ficam com tédio e começam a comer. “Muitas vezes, eles comem apenas por ansiedade, o dono acha que os cães comeram toda a ração por estarem com fome e... enchem a tigela novamente”. A obesidade e os problemas que ela causa são consequências naturais. A falta de exercícios também faz com que os cachorros tenham comportamentos agressivos. Podem começar a destruir objetos e até atacar outros animais durante passeios. “Eles precisam descarregar a energia de alguma forma”, diz ele.
Que exercício? Isso depende da raça do cachorro. Labradores, por exemplo, podem fazer natação. O grupo dos pastores deve se movimentar para não desenvolver barriga. Até mesmo os cães pequenos, muitas vezes criados em apartamentos, devem se exercitar. “Muitas pessoas compram cães destas raças menores para ter companhia. E se esquecem que eles , sim, precisam caminhar. Se ficam apenas em casa, não aceitam nem mesmo estranhos”, lembra. O clássico exercício de jogar a bolinha para o cão pegar também dá bons resultados.
Quem corre e pedala também pode levar o cachorro junto nesta hora. Mas precisa – antes – consultar um adestrador. Nem todas as raças suportam exercícios pesados e a idade para começar a ter atividades que exigem mais também depende de animal para animal.. Ou seja, conhecer a raça de seu pet é a primeira atitude de quem quer ter um cachorro.

Fonte: gnt.globo.com

Cursos na área de bovinos. Últimas vagas!!!

Nesse mês de Janeiro o CPT Cursos Presenciais preparou diversos cursos na área de bovinos, entre eles: Exame Andrológico e Congelamento de Sêmen Bovino, Inseminação Artificial em Tempo fixo em Bovinos (IATF Avançado) e Manejo Reprodutivo em Bovinos. 


Últimas vagas. Não percam!!!





Os cursos incluem hospedagem, café da manhã, almoço, lanche da tarde, seguro contra acidentes, apostila impressa, CD interativo e certificado.

"Cursos de Qualidade é no CPT Cursos Presenciais."

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Saiba o que é preciso para adotar um animal de estimação

Cães e gatos de todos os portes, raças e idades estão disponíveis em vários abrigos pelo Brasil.


Todo final e início de ano é a mesma coisa: os Centros de Controle de Zoonoses (CCZ) e ONGs de proteção animal ficam com seus abrigos lotados. A maioria dos bochinhos foi abandonada por conta das férias - muitas famílias não querem levar o animal e simplesmente o abandonam na rua. Outros foram presentes de natal e acabaram descartados diante dos muitos cuidados que necessitam.

Essa situação triste pode ser revertida com a adoção de animais. Cada vez mais, campanhas pelo Brasil estão incentivando a prática no lugar de comprar um animal "novo em folha". A variedade é grande: cães e gatos de todos os portes, raças e idades estão disponíveis em vários abrigos pelo Brasil.

Tamanho e idade, aliás, são dados que devem ser levados em consideração na hora da adoção. "Filhotes são como crianças, precisam de mais atenção, devem ser educados constantemente e mordiscam, pulam, querem brincar o tempo todo e podem derrubar as pessoas", explicou a veterinária Mônica Almeida, responsável pelo setor de adoção do CCZ de São Paulo. "Já os mais velhos são mais tranquilos, não precisam de tantas repetições para ser ensinados e podem ficar mais tempo sozinhos", diz.

Outra reflexão importante a ser feita antes da adoção são os motivos que levam a adotar. Um cão ou gato vai viver com a família, no mínimo, pelos próximo dez anos. "Ele requer tempo, atenção e gera despesas com alimentação, saúde, higiene e lazer", afirmou Rafael Miranda, coordenador da ONG Cão sem Dono, em São Paulo. "Tudo isso deve ser colocado na balança antes de tomar a decisão", disse.

Final feliz 
Uma vez que a família esteja de acordo, é hora de encontrar o animal certo. "Não basta pegar o primeiro que encontrar na rua", aconselhou Rafael Miranda. "Você tem que 'namorar' o animal e ver se ele também gosta de você", diz. A busca pode começar pelo CCZ da sua cidade ou estado, ou em ONGs locais, que possuem animais em seus abrigos. Manaus, Cuiabá, Curitiba, Belo Horizonte e Florianópolis são algumas das localidades em que os centros são muito procurados por pessoas interessadas em um animal de estimação.

Outra forma de encontrar o animalzinho é dar uma busca pelos sites de entidades de proteção ao animal de todo o País, que colocam fotos e dados sobre os bichos disponíveis para adoção. A maior parte dos animais é entregue castrada, vacinada e vermifugada.

Há também a parte burocrática. O adotante precisa ser maior de 21 anos, apresentar RG, CPF, comprovante de residência recente assinar um termo se comprometendo a cuidar do animalzinho, que agora passa a ser de responsabilidade dele. No CCZ de São Paulo, é preciso pagar uma taxa de R$ 16,20, pois o trâmite inclui a carteirinha do RGA (Registro Geral do Animal), uma plaqueta e um microship de identificação. É necessário levar guia (para cães) ou caixa de transporte (para gatos).

Conheça os benefícios dos animais à saúde

Eles dão bem menos trabalho do que os seres humanos e são muito mais compreensivos.


Criar um animal de estimação em casa de forma adequada ou apenas o contato constante com eles traz muito mais benefícios do que a gente imagina.

O contato com animais vai muito além da companhia que proporcionam. Um pequeno tempo diário dedicado a eles funciona como uma terapia ao ser humano. Conversar e brincar com animais pode diminuir o estresse, sem contar o carinho que eles são capazes de doar. Quem tem animal de estimação sabe a sensação de chegar em casa depois de um dia de trabalho cansativo e ser recebido com festa. Isso deixa qualquer um mais feliz.

A sensação de alegria libera endorfina ao cérebro, um hormônio capaz de relaxar o ser humano, colaborar com seu bem-estar, controlar a pressão sanguínea e a melhorar o sono. Por isso, algumas pessoas, mesmo que inconscientemente, se dedicam tanto aos animais e se sentem melhor com esse contato.

“Hoje em dia as pessoas se isolam mais e tentam suprir a solidão com animais de companhia. Eles dão bem menos trabalho do que os seres humanos e são muito mais compreensivos”

Além de dar carinho, divertir, acalmar e fazer companhia, os bichos de estimação podem desempenhar um papel ainda mais nobre, ajudando nas perdas pessoais, por exemplo. Estudos feitos com pessoas que perderam seus cônjuges mostram que os donos de animais estão menos propensos à depressão e à sensação de isolamento.

Segundo o veterinário Rafael Pires de Camargo, de São Paulo, a procura por animais de estimação tem uma explicação simples. “Hoje em dia as pessoas se isolam mais e tentam suprir a solidão com animais de companhia. Eles dão bem menos trabalho do que os seres humanos e são muito mais compreensivos”, diz o especialista. Camargo, que é responsável por um canil com animais para doação no interior do Estado, afirma que a maioria dos seus clientes é mulher de meia-idade.

Uma pesquisa realizada pela Universidade britânica de Cambridge, em 2002, comprova que a maioria das pessoas que adquirem cães desenvolve segurança e auto-estima. Por essas e outras razões não se deve desprezá-los.

Fonte: vilamulher.terra.com.br

Cursos em Pequenos Animais no CPT Cursos Presenciais

No mês de Fevereiro o CPT Cursos Presenciais preparou diversos cursos na área de Pequenos Animais para você, entre eles: Curso de Anestesias, Curso de Odontologia, Curso de Cirurgias e Curso de Emergências e Pronto Atendimento. Veja no cartaz abaixo as datas dos cursos e acesse o site http://www.cptcursospresenciais.com.br/ para maiores informações.
Os cursos incluem hospedagem, café da manhã, almoço, lanche da tarde, seguro contra acidentes, apostila impressa, CD interativo e certificado.



Acesse >> www.cptcursospresenciais.com.br



"Cursos de Qualidade é no CPT Cursos Presenciais. Aproveite!!!"

sábado, 7 de janeiro de 2012

Saiba quando seu cachorro deve entrar na dieta

Dieta não é só coisa de humano. Cachorro também precisa fazer regime de vez em quando para entrar em forma.

Seu cão pode estar engordando sem você perceber, por isso fique atento a algumas dicas que te fará notar se seu bichinho de estimação está com problemas e, aqui, saiba como solucioná-los.





Fabrício Lorenzini, médico veterinário do Hovet (Hospital Veterinário da Universidade Anhembi Morumbi), explicou que olhar a lateral do cão é fundamental para saber se seu pet está com o peso adequado.

- O cachorro é considerado normal quando suas costelas não estão visíveis na lateral, mas são facilmente sentidas quando apalpadas. O cão deve ter o corpo em formato de ampulheta, ou seja, deve ter a circunferência mais fina na região da cintura. Qualquer alteração nestas características pode ser sinal de sobrepeso.

Mesmo com estas dicas é essencial que o cachorro seja acompanhado regularmente por um veterinário, pois só um médico especializado poderá diagnosticar um caso de sobrepeso ou até mesmo obesidade.

Como no caso do IMC (índice de massa corporal) humano, os animais também têm uma escala que define os padrões de normalidade do peso. Geralmente, 15% do peso de um cachorro normal representam a quantidade de gordura, números maiores que este são um sinal de alerta.

Um animal com sobrepeso pode ter diversos problemas de saúde, como explica Fabrício.

- O excesso de peso pode acarretar problemas nas articulações do cachorro, no trato pulmonar, como ronco e dificuldade de respirar, problemas cardíacos, diabetes e pesquisas recentes mostram que obesidade pode causar câncer nos animais.

Para os bichos que estão acima do peso, os tratamentos mais adequados são dieta e atividade física, em especial a hidroterapia. 
O veterinário Fabrício detalha o que se deve fazer quando seu cão tem que entrar na dieta.

- Hoje existem no mercado diversas rações especiais para animais em dieta, mas o mais indicado é procurar um veterinário especialista em endocrinologia que prescreva um plano alimentar para o seu animal.

É essencial evitar dar qualquer tipo de alimento para o cachorro que não seja a ração (ou a alimentação indicada pelo veterinário), mesmo que a carinha de tristeza do bichinho parta seu coração.

Nos casos mais extremos em que o cachorro é considerado obeso, o tratamento é o mesmo: dieta e atividade física, pelo menos no Brasil, onde os medicamentos para redução de peso são proibidos.
Fonte: R7